terça-feira, 11 de julho de 2017

Alkanza Thrash Metal - "O Céu da Boca Do Inferno" (Resenha)

No final de junho os lagunenses da banda Alkanza lançaram o novo álbum denominado “O Céu Da Boca do Inferno” contendo sete faixas. O mesmo foi gravado no B&C Estúdios e contou a produção do vocalista Thiago Bonazza Fernandes e de Fabrício Eufrásio, além da arte gráfica por Marcio Saviano.


O disco foi divulgado nas plataformas virtuais do grupo no YouTube e no site da banda para download. Então leia, ouça, baixe, divulgue, compartilhe e vá aos shows do grupo.



O peso e agressividade foram mantidos em cada música. A primeira faixa é a caótica “Em Coma” que é fortemente caracterizada com riffs céleres e rápidos representando a disparidade social que predomina em nossa sociedade desigual.

A segunda canção é “Paciência V.T.N.C”, e já de cara percebe-se a brutalidade ao redor da mesma. Os vocais de Thiago são ainda mais nítidos e complementam a abordagem do descontentamento e da verdadeira “falta de paciência” com as questões atuais cotidianas em nosso país.

“Escolhas” começa cadenciada e a sonoridade vai alternando com o decorrer da mesma. A música fala sobre a hipocrisia enrustida nas pessoas que a impedem de seguir os próprios sonhos.

A quarta faixa “É Só??” nos questiona sobre a situação dramática das periferias antagonizando com o poder e a ganância que a burguesia detém sobre os mesmos. O Instrumental é totalmente cru e ríspido personificando uma das melhores do disco.

A canção “Com Força” ingressa-se em uma catástrofe violenta com timbres sólidos. Sua letra explicita a exploração, a destruição e o individualismo em prol do poder.

A ferocidade é exposta na música “Sorria” onde obtém um peso exacerbado e uma temática que abrange assuntos relacionados a alienação, como no refrão “Sorria, Mas Permaneça Calado, Sorria, Mas Continue Dopado...”. Essa faixa é um grito de revolta em relação as pessoas que sorriam mesmo sendo manipuladas.

Fechando o disco, a intensa “Se Comovem Mas Não Se Movem” surge como uma surpresa e se instala em nossos ouvidos. Rapidamente podemos notar grandes influências, desde o Groove, Thrash tradicional até o Thrash moderno. A sonoridade mostra a potencialidade da Alkanza que sempre nos surpreende.

Plataformas Virtuais:


← Postagem mais recente Postagem mais antiga → Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário