terça-feira, 19 de junho de 2018

Bisho Extreme Fest: O Reino Infernal Sul Catarinense Clama Por Metal

O estado de Santa Catarina vive o apogeu dos festivais e cada um tem a sua essência e respectiva peculiaridade, assim os eventos gradativamente vão surgindo e se estabilizando. O Bisho Extreme Fest idealizado por Gustavo Mendes traz a chama dos fests do Metal Negro, da blasfêmia, da catástrofe e da heresia habitual dos headbangers e nada melhor que escolher Tubarão, no sul catarinense para sediar.



Com a parceria da Sangue Frio Produções, apoio de R. Nandi e cobertura de cinco mídias, tais como O Subsolo, A Hora Hard, Urussanga Rock Music, Underground Extremo e Eu Apoio o Metal Nacional, o evento aos poucos se solidifica e para essa edição emerge com a banda Impiedoso de Jaraguá do Sul – SC, Lethal Sense de Bento Gonçalves – RS, Viletale de Blumenau – SC e com a prata da casa Distressed.

Inspirados por Sepultura, Carcass, Kreator e outros grandes nomes, a Distressed vai destruir os monumentos do Congas Music Beer. Os músicos montaram o projeto no ano de 2008 em Azambuja/Tubarão e preza em sua sonoridade, a celeridade e agressividade dos riffs fazendo com que cada metalhead presente possa fazer diversos moshes. O grupo é composto por André Wendhausen (Vocal e Baixo), Daniel Rosicky (Guitarra e Backing Vocal), Rafael Spilere (Guitarra) e Gustavo Oliveira (Bateria).

A Viletale originária da forte cena blumenauense(que contém nomes como Mastervoid, Perpetual Dreams, Desperate Soul, Nighthawk, Agony Voices, Lacrima Mortis entre outros grupos) desembarca nas terras tubaronenses pela primeira vez. O grupo do norte catarinense aposta no Horror Metal com pinceladas de Death/Black Metal através de canções que enfatizam o lado mais sombrio da parte literária, cinematográfica e audiovisual. Os músicos têm três Eps para difusão, são eles, o “Initiation”, “From The Depths Ov Mind” e “The Suicide Of Dei”, além do single “A Giftless December”. A formação é Bruno Jankauskas (Vocal/Guitarra Solo), Alan Ricardo (Guitarra Base), Filipe Oliveira (Baixo) e Matheus Lunge (Bateria).

Longe dos palcos de SC por 16 anos, a Lethal Sense de Bento Gonçalves – RS regressa em grande estilo na “Weeekend Tour”, gig que passará ainda por Florianópolis – SC. A banda comemora seu vigésimo ano de estrada e em toda essa trajetória já angaria quatro demos, “Morbid State”, “Succulent Rests of Human Flesh”, “Crushed Limbs”, “Crushed Brain”, o full length “Lethal”, os Eps “The Trip” e “Toxic Zombie”  e uma Split lançada em 2014 com as bandas Scatologic Madness, Possession e Endoscopyc Hemorrhage. O Death Metal cru com letras onde abordam o canibalismo é a marca registrada dos gaúchos que mantêm em sua formação Miro (Vocal), Ande (Guitarra), Douglas Dutra (Bateria) e Marciano (Baixo).

Uma das mais esperadas do evento é a jaraguaense, Impiedoso. Simplesmente são 20 anos de banda, três demos lançadas, a rara “Master of Darkness” e as preciosas obscuras “The Unholy Prophecy” e “Abismo da Desgraça” além de recentemente terem divulgado o primeiro full length denominado “Reign In Darkness”, material este mantendo o velho Black Metal cru, com o instrumental técnico e potencial agregando às letras anticristãs e hereges. O eterno vocalista Acácio se desligou da horda e há um mistério para quem assumirá os vocais do grupo, e no Bisho será a primeira aparição desse “demônio impiedoso”. A banda é Nahash (Baixo), Aldebaran (Bateria), Mortuum (Guitarra) e .... (Vocal).


segunda-feira, 18 de junho de 2018

Bullet Bane em Lages: Tour do “Continental” no Fatboo Studios

Na última quarta-feira (13), o grupo paulista de hardcore Bullet Bane se apresentou pela terceira vez na cidade de Lages – SC. A tour do álbum “Continental” passou por várias cidades de SC como Balneário Camboriú, Florianópolis e Criciúma e teve início da princesinha do Planalto Catarinense.



O Fatboo Studios, pub administrado por Steffan Duarte trouxe mais de 60 pessoas para a noite fria do meio da semana. Todavia, o frio não foi motivo de afastar o público do evento, que diante de todos esses quesitos, se mostrou contagiante e apoiou o cenário underground.

É claro que vale ressaltar as bancas de merchs expostas por artistas independentes, os rangos veganos de Leo Araldi e a atmosfera do Do It Yourself dos mesmos.
Para a abertura da noite, o grupo de Crossover/Grindcore AbomiNação apostou num repertório com suas novas canções, inclusive uma que fala sobre suicídio e outra que conta com a participação de Lana Quevedo a qual trata sobre assuntos relacionados a estupro. No mais, os lageanos como de praxe incendiaram o palco com riffs agressivos e céleres ao executar as já conhecidas “Tradicional Família Brasileira”, “Deus Deligit Hominem” e a breve “Música Decrescente”.

Depois de nos conceder uma entrevista, os paulistanos da Bullet Bane subiram aos palcos totalmente remodelados do Fatboo. O show dos músicos foi praticamente avassalador, agressivo, técnico e com uma vibe que só quem está no HC consegue sentir. O grupo recentemente divulgou um novo trabalho, “Continental” e fruto deste material, a gig pode acontecer e a cada canção a energia passava a um grau ainda maior. Com um repertório bem mesclado, entre as canções da Coletânea do Flecha Discos e algumas dos seus álbuns anteriores.  

No entanto, o que pode ser notável foi a evolução e execução dos novos sons, a cadenciada “Amparo”, a arrastada “Curimatá”, a caótica “Gangorra” e a potencial e surreal “Fôlego” além de outros presentes no último full length. A catástrofe estava gerada e as rodas descomunais, música a música com moshes agressivos e com o público cantando junto.

O evento representou toda a coletividade e união existente no underground serrano, obviamente que existe falhas e abstrações, entretanto aos poucos muitas pessoas estão trabalhando para corrigir isso para regressar uma das maiores cenas de Hardcore de Santa Catarina, cena esta que nunca morreu, está longe de se apagar e está viva nos porões do submundo serrano. Venha apoiar o independente, o HC, o cenário, compareça, divulgue e ajude a fortalecer ainda mais o som autoral da sua região!


domingo, 17 de junho de 2018

Rock In Hell Do Campo IV: A Chama do Metal Cada Vez Mais Acesa

A quarta edição do Rock In Hell Do Campo já trazia em seu o lema, o bordão “Eu Vou Descongelar” e foi o que aconteceu com as centenas de pessoas que puderam presenciar um dos maiores festivais de Santa Catarina. O estado tem diversos festivais e eventos que possuem em sua essência o velho espírito do underground e do Rock/Metal, e assim foi o RHC.



Com uma ampla estrutura e áreas destinadas para o camping, espaço kids, gastronomia diversificada, exposição de vinis, vestuário, materiais e utensílios antigos, o evento consolidou-se como um dos mais artísticos. Além desse quesito, vale ressaltar o FutChop (torneio de headbangers bebuns afim do profissionalismo choppeano), às excursões de cidades como Arroio Trinta, Lages e Curitiba e a presença de novas pessoas.

Ah, e falando na excursão de Lages, se realmente existe parceria, ela está no Planalto Serrano. Quase trinta pessoas que novamente lotaram um micro-ônibus e foram apoiar o underground catarinense. Nós estivemos juntos registrando, curtindo e pegando a estrada com os “faca na bota” e sábado à tarde estacionamos na cidade do Alto Vale do Itajaí.

Em virtude de não coincidir os horários de chegada com o das apresentações da sexta-feira à noite, ficamos impossibilitados de registrar as bandas Pragas do Paiol de Dona Emma - SC e Overblack de Blumenau - SC que deram o pontapé inicial ao evento.

Outro ponto a ser devidamente lembrado e exposto são bandas que não estavam no cast e presenciaram o Rock In Hell. Grupos como Acidemia, Juggernaut, Plunder, Blood Eyes, Balboa’s Punch e Extrusora mostraram a união e coletividade, fatores que deveriam estar presentes em todas as bandas.

As mídias se encontraram e mutuamente registraram todos os momentos, ocasiões, apresentações e manifestações artísticas contidas nessa edição. O Cultura em Peso com Vanessa Boettcher, O Subsolo com Maykon Kjellin e nós da Urussanga Rock Music fomos congratulados com a acessibilidade habitual dos organizadores Tailana Furni Torres e Cleiton Falcãozinho que nos disponibilizaram grandes condições para a realização do trabalho.

Enfim, a destruição começou pontualmente com o Punk Rock da blumenauense Carcanhá que relembrou clássicos do Replicantes, Gritando HC e Garotos Podres, todavia reproduziram todas as músicas contidas no EP “(Não Tenha) Políticos de Estimação”, o qual vale destacar a música “É de Maracujá” muito bem aceita e cantada pelo público presente.

Com um repertório apenas de músicas cover, a Walkmen veio de Curitibanos – SC para fazer releituras de grandes nomes do Rock noventista e oitentista.

A Jhonny Bus de Lages incendiou o evento com Motorhëad, Iron Maiden e outros grupos, porém a canção “Shadow Walker” foi uma das mais contagiantes, marcante na exibição dos músicos que contou com grandes moshes e rodas a cada riff.

Antes do próximo grupo subir aos palcos, os organizadores de festivais que compõe o UP Rock se reuniram para prestigiar o evento e divulgar os seus respectivos projetos. Lá estavam Denilson Luis Padilha e Nani Poluceno(Otacílio Rock Festival), Dorneles Pereira (Um Dia Livre Rock Festival), Larissa Giovanella (River Rock Festival), Marcos Valério (Iceberg Rock Festival) e Falcaozinho (Rock In Hell Do Campo)

Uma das mais esperadas para essa edição foi a feed THE FREAK de Blumenau – SC, um Metal apenas FREAK carregado de um visual sombrio e obscuro característico de vilões anos 50 e 60. O repertório dos blumenauenses continha canções arrastadas, mas ao mesmo tempo agressivas e uma performance sensacional. Mesmo diante de alguns problemas relacionados com o técnico de som, puderam exprimir toda a crueza e potencialidade através de suas canções autorais.

A Tandra de Curitiba – PR recheou o evento de musicalidade nórdica, músicas comuns entre os bebuns da Europa foram executadas, além do cover da canção “Vodka” com participação de Douglas Sieves da Captain Cornelius. Os músicos expuseram “Open The Bar”, canção própria que foi a abertura do Maniacs Metal Meeting e que rendeu moshes e danças típicas.

O grupo The Undead Manz investiu na estética e no visual, o que rendeu um figurino gore e um som autoral singular recheado de Metal Industrial e Horror Metal, a fusão dos dois estilos impressionou os headbangers e metalheads presentes. Os criciumenses fizeram um repertório autoral notável, com destaque para “Fearless”.

No horário da 00:00, todos estavam presentes na Super Fogueira e lá viram uma apresentação surreal de Tailana com pirofagias e danças à narração da história aterrorizante de Dance Of Death do Iron Maiden. Aos poucos com o decorrer da peça, Cleiton Falcãozinho ingressou e também movido pelo fogo deu início à queima da grande cabeça de gado feita por madeiras e galhos que logo se inflamaram e personificaram toda a magia por trás da melhor edição do festival.

Porém o caos continuou no palco, a headliner Carniça com mais de 27 anos se apresentava pela primeira vez no estado. O show foi destruidor do início ao fim, a cada canção um riff com mais intensidade, solidez e celeridade. Os músicos reproduziram músicas de todos os full lengths, porém focaram no último lançado, o homônimo “Carniça” que expuseram seis canções e nelas puderam exibir toda a evolução do grupo.

A Hon-Ra de Caxias do Sul – RS seria a próxima a entrar em cena, todavia houve um imprevisto com o baterista Rodrigo Zanella e isso impossibilitou o mesmo de estar em Rio do Campo. Entretanto, é notável o profissionalismo dos músicos que mesmo com as dificuldades de contato perante às linhas telefônicas, estiveram presentes e divulgaram seus materiais e singles numa banca de merchs, além de mostrarem todo o aparato e suporte para os organizadores.

A Spiritual Devastion foi a segunda de Lages – SC a desgraçar o RHC, o power trio divulgou diversas canções autorais e nelas facilmente deu para identificar o Thrash e Speed Metal dos anos 80 e como consequência disso, as rodas e moshes monstruosos eram de descongelar qualquer pessoa no evento, principalmente quando executaram “Welcome To The War”.

O encerramento da noite ficou por conta da Lacrimae Tenebris, assim como na última edição, os curitibanos ficaram encarregados de extasiar os presentes na madrugada com um Doom arrastado e técnico mesclando lirismo em suas canções autorais, como “Casa dos Espelhos” em que recentemente foi divulgado um videoclipe.  

O domingo começou cedo com um grande café da manhã, e o melhor, tudo de forma gratuita. A Captain Cornelius que depois de uma refeição reforçada subiu ao palco e apresentou novas releituras de canções clássicas irlandesas e celtas, além de retribuir o favor e convidar para uma participação especial de uma música do Alestorm, o vocalista da banda Tandra, Christopher Knop.

A Dark New Farm veio de longe, lá do litoral sul para expor seu New Metal. O quinteto reproduziu alguns covers, porém executaram as canções autorais “La Patria, La Fabula” e “Madre” música esta que o baterista Maykon Kjellin fez um discurso sobre a composição da letra que traz resquícios de uma agressão grave a mulher. A apresentação dos músicos foi marcada pela evolução sonora, vocais mais ásperos de Harley e por um backing vocal mais clean de Sol Portella.  

De Lages – SC, a AbomiNação colocou tudo o que tinha e fez com que cada música executada fosse uma catástrofe de empurrões, rodas e muvucas por parte dos metalheads. As músicas já são conhecidas, destaque para “Tradicional Família Brasileira”, “Cavalo de Troia” e “Deus Deligit Hominem” que trazem um Crossover descomunal e para uma nova música que contém alguns beats de Rap.

A Norium fechou o evento e os criciumenses tocaram clássicos do Power Metal, além de apresentar sua música autoral “Sign Of The Times” lançada recentemente que conta com a participação de Z (The Undead Manz).


segunda-feira, 11 de junho de 2018

Bullet Bane: Banda Apresenta o seu novo álbum “Continental” no Fatboo Studios

A cidade de Lages – SC é conhecida por manter uma cena de Hardcore de destaque, bandas como Alkalify, Crazy Frogs, Raio Laser Mágico, No Funeral 04, Fuller, John Liar e Cártamo são alguns dos mais renomados dentre os músicos do estilo da região. Então gradativamente o cenário vem emergindo, para isso pubs como o Fatboo Studios são de suma importância para divulgação desses respectivos nomes e de outros que vem surgindo.

No evento do dia (13) na quarta-feira a paulistana Bullet Bane estará divulgando o seu novo trabalho, “Continental” na tour que está em andamento. Para que a noite seja ainda mais especial, o grupo de Crossover Abominação estará dividindo o palco com o grupo paulista.



A banda Bullet Bane (com essa designação) está em atividade desde 2011 e em sua trajetória soma três full lengths, “New World Broadcast”, “Impavid Colussus” e o recente “Continental”. Esse último álbum personifica ainda mais o peso, a técnica e a potencialidade dos músicos, além é claro da aposta de fazer canções em português.

A AbomiNação recém advinda do Rock In Hell Do Campo traz toda a brutalidade, rapidez e agressividade para o evento. Os músicos possuem em sua história duas demos, “Ódio” e “País de Tolos” e mesclarão músicas dos dois trabalhos e canções novas.

Então para que todos consigam acompanhar o fest, o Fatboo Studios adaptou os horários para as pessoas que saem da faculdade para que possam assistir às apresentações. Os ingressos para o rolê são apenas 20 mangos antecipados e 25 na porta da casa.

A lajaica inteira precisa de seu apoio para que o underground possa resistir. Saiam de casa, convidem seus amigxs e corram para o evento. Com a ajuda de todos vocês, a parceria, a difusão e com a presença, o independente cada vez mais mostrará sua força e seu poder coletivo de reunir os amantes do HC.


segunda-feira, 4 de junho de 2018

Rock In Hell Do Campo Festival IV: Evento Promete Incendiar o Alto Vale

Nesse final de semana, a pequena cidade de Rio do Campo – SC de apenas 7 mil habitantes promete acolher e recepcionar os headbangers e metalheads advindos de várias regiões do Brasil. O festival que já é tradicional no Sul-Brasileiro dá as caras novamente com sua forte característica de juntar bandas, apresentações artísticas, encontro de carros antigos e muitas surpresas.


Com uma divulgação ampla, organizada e sistematizada, Cleiton Falcãozinho e Tailana Furni Torres realmente uniram esforços para que essa edição ficasse marcada de forma histórica, foi mais de um ano de difusão e lançamentos de atrações, contando com o apoio de parceiros, mídias e amigos relacionados com o fest. A partir disso instituíram-se treze excursões de diversas cidades e estados, como Goiânia e São Paulo, Novo Hamburgo – RS, Caxias do Sul – RS, Curitiba – PR e municípios catarinenses como Blumenau, Criciúma, Curitibanos, Florianópolis, Lages, Rio do Sul, Salto Veloso e Timbó.

Essa edição do evento trará atrativos, como presença dos maiores motoclubes da região, panificadora ao entorno do evento, Super Fogueira, Buffet (Gastronomia da Cidade), Serviço de Bar 24 horas, Espaço Kids, Camping, Expositores e Food Truck. Outro adicional que cabe destacar é o fato de acontecer o 1° Torneio de FutChop, onde as pessoas poderão se inscrever para juntar as paixões de beber e jogar futebol, além de consequentemente gerar várias risadas para o público presente.

As mídias que farão as coberturas, entrevistas e vídeos serão o Cultura em Peso, O SubSolo e nós da Urussanga Rock Music.

O Rock In Hell Do Campo nesse ano vai abrir novamente suas portas na sexta-feira e contará com 15 bandas:

Diretamente do singelo município de Dona Emma vem os músicos da banda Pragas do Paiol, que ficarão responsáveis por iniciar o festival. Formada por Valdemiro Fritz Batista (Bateria), Wilian Schurt e Edigar Debatin (Guitarra), “Binho” (Baixo) e Luiz Fernando Chiodini (Vocal), o grupo é influenciado pela música nacional, trazendo em seu setlist tributos de bandas de Punk Rock ao Heavy Metal.

O segundo grupo é originário de Blumenau – SC, a Overblack irá expor o Heavy/Thrash Metal através de riffs rápidos e de influências como Motörhead, Sepultura e Metallica. Os músicos já lançaram um Ep intitulado “Dying To Fight” que contém três canções, “Spitfire”, a homônima “Dying To Fight” e “Fear In Your Face”. A banda é composta por Paulo Henrique (Vocal e Guitarra), Gabriel Roberto (Guitarra Solo), Charles Dondoni (Baixo) e Jonathan Muniz (Bateria).

No sábado depois das apresentações e atividades culturais, a partir das 18 horas a Carcanhá também de Blumenau – SC sobe aos palcos. O grupo formado em 2015 mantém a chama e o ideal do Punk Rock totalmente ativo através de suas letras bem-humoradas, de crítica social e de revolta. Recentemente difundiram o EP “(Não Tenha) Políticos de Estimação”, trabalho este que abrange quatro faixas, “Discurso Abafado”, “Passa a Grana”, “É de Maracujá” e a homônima “(Não Tenha) Políticos de Estimação”. A formação atual é Edenilson (Vocal), William (Guitarra e Voz), Fabio (Baixo e Vocal) e Guilherme (Bateria).

Os músicos da Walkmen são originários de Curitibanos e estão na atividade desde 2014. Os músicos apresentarão clássicos do Rock dos anos 80 e 90, priorizando as músicas nacionais. A formação atual conta com Luciano Magagnin (Vocal e Guitarra), Ricardo Rodrigues (Baixo) e Rafael Rodrigues (Bateria).

A primeira banda lageana a se exibir será a Jhonny Bus. Os lageanos trazem a tona o Rock N Roll, Heavy Metal e Hard Rock com referências a AC/DC, Whitesnake, Guns ‘n Roses e outros nomes do estilo. Obviamente os músicos também apostam no autoral, em virtude disso recentemente divulgaram o álbum “Empowered Darkness”. O grupo é composto por Gabriel "Stay Puft" Giotti (Vocal), Antonio "Maria Bethânia" Pereira (Bateria), Fernando "Bigorna" de Liz (Guitarra), Eclair "Mun-Rá" Lins (Guitarra) e Eduardo "Sucrilhos" Tripoli (Baixo).

Mais uma representante de Blumenau, a feed the FREAK aposta no Freak Rock, um ritmo peculiar carregado de obscuridade, nostalgia e um visual diferente. Os músicos apostam na versatilidade e no rock alternativo carregado. A banda que se formou em 2007 tem como trabalho o disco homônimo “Feed The Freak” contendo oito faixas, sendo elas “B.U.T.C.H.E.R”, “Libertine”, “Mentorship”, “Articulating The Vice”, “No Sin, No Pleasure”, “Euthanasia” e “Honey & Milk”. Os integrantes são Haunting Joey (Guitarra e Vocal), Skul Smuggler (Baixo e Backing Vocal) e John Ripper (Bateria).

Advinda de Curitiba, a banda paranaense Tandra será responsável por trazer o Folk Metal aos palcos do Rock In Hell do Campo. Formada em 2012, o grupo possui como referências musicais, nomes como Korpiklaani, Tuatha de Danann e Equilibrium. Trazendo um repertório recheado de covers, os músicos estão focando na composição de músicas autorais, sendo que lançaram no final de 2017 a faixa “Open The Bar”.  A Tandra é formada por: Carlos Henrique Linzmeyer (Acordeão), Christopher Schmitt Knop (Guitarra e Vocal), Felipe Ribeiro (Flauta e Vocal), Felipe Franco (Baixo e Vocal), Gefferson Franco (Guitarra e Vocal) e Max Waltrick (Bateria).

A The Undead Manz de Criciúma- SC mistura arte, visual sombrio e Modern Metal através de suas canções autorais que mesclam com influências de Rob Zombie e The 69 Eyes. O grupo divulgou em 2017 o primeiro material intitulado “The Rise Of The Undead” que contém oito faixas, “Deum Tempus”, “Seeds Of...”, “... Evil”, “OBM”, “Ad Clamor Clavium”, “Fearless”, “The Death” e “Destiny Out”. A banda é composta por Z (Vocal e Guitarra), Jericrow (Guitarra), Plague (Baixo) e Jaws (Bateria).

A Super Fogueira inicia na meia noite e é seguida pela entrega do troféu “Banda Destaque”. Após essas atividades, a lendária Carniça vai mostrar o porquê é considerada um dos maiores grupos do Sul. Os músicos são originários de Novo Hamburgo e fundaram a banda no ano de 1991, de lá pra cá foram 27 anos e 10 materiais divulgados, sendo cinco demos, uma Split e quatro full length, “Rotten Flesh”, “Temple’s Fall... Time To Reborn”, “Nations Of Few” e o recente “Carniça”. Eles misturam em suas composições temas sociopolíticos e obscuros mantendo em sua formação Mauriano Lustosa (Vocal), Parahim Neto (Guitarra e Backing Vocal), Marlo Lustosa (Bateria) e Vinicius Durli (Baixo).

Há seis anos nas estradas, a banda caxiense Hon-Ra trará aos palcos um Death Metal influenciado por nomes como Behemoth, Death e Slayer. O grupo possui seis singles colecionáveis lançados, além dos clipes “From The Shadows Of The Depths”, “Ronin” e “Evil Shadows”. Além de marcar presença em diversos festivais, os músicos realizaram recentemente uma série de apresentações na Argentina. A banda conta com Jener Milani (Guitarra e Vocal), Wagner De Moraes (Guitarra) e Rodrigo Zanella (Bateria).

Proveniente de Lages, a Spiritual Devastation banda de Heavy/Thrash Metal formada em 2016, se apresentará na madrugada de domingo. Os músicos realizaram recentemente o pré-lançamento do primeiro trabalho do grupo, o álbum, intitulado War and Peace. Entre as faixas já divulgadas pela banda estão “This Is Our World”, “Age Of Terror” e Welcome To The War”. A formação conta com Guilherme Alberge (Vocal e Guitarra), Marco Antônio (Bateria) e Henrique Pereira Soares (Baixo e Backing Vocal).

Inspirados por Katatonia, Samael, Paradise Lost, Swallow The Sun entre outros grupos, os paranaenses da Lacrimae Tenebris exibirão o seu respectivo Doom no sábado/domingo. Com um som arrastado e carregado lembrando um Djent, o grupo traz letras personificadas por depressão, conflito com o ser humano e ódio. Os músicos tocarão pela segunda vez no evento. A banda é formada por Timóteo (Baixo e Vocal), Max (Bateria) e Felipe Franco (Baixo).

A primeira banda confirmada no domingo já é conhecida na região por sua sonoridade peculiar e letras características remetendo a cultura irlandesa e suas tradições alcoólicas. Se você pensou, a Captain Cornelius (os marujos e piratas bebuns riosulenses com histórias do alto mar e conselhos sobre a vida), a sua resposta foi correta. Então se apronte, traga seu chifre (opa, sua bebida), suas danças típicas e simbólicas e encontrem os bêbados de todo o estado lá em Rio do Campo - SC. O grupo é formado por Douglas (Vocal, Banjo e Bandolim), Tamiris (Violino), Julio (Baixo) Anotny (Guitarra), Thomas (Bateria e Churrasqueira) e Camila (Teclado).

A banda originária do litoral do estado, Dark New Farm estará no cast de mais um festival. Com pouco mais de um ano, os músicos já estabelecem seu nome no cenário musical. O grupo possui vasta influência e conta com um repertório composto de covers de bandas como Drowning Pool, Korn e Sepultura. Porém, destacam-se pelos singles “La Patria! La Fábula!” e mais recente “Madre”, faixas já admiradas pelo público. Dark New Farm é: Luiz Harley (Vocal), Sol Portella (Guitarra e Vocais), Vinicius Saints (Guitarra), Fabiano Hamed (Baixo) e Maykon Kjellin (Bateria).

Lages está em peso no festival e a banda de Crossover, AbomiNação se apresentará pela primeira vez em Rio do Campo - SC. Formada em 2014 pelos músicos Mateus Biazoto (Vocal e Baixo), Miro Wagner (Guitarra) e Ruan Rudieri (Bateria), a banda traz influências vastas, tais como Krisiun, Nevermore, Parkway e Hatebreed. O grupo lançou seu primeiro trabalho em 2015, o EP “Ódio” contendo oito faixas, seguido da Demo “País de Tolos” com cinco músicas.  Como fruto desse último trabalho, foi produzido em 2016 o clipe da faixa que dá nome a Demo, além do lyric video de “Homem Animal Irracional”, lançado no início 2017.

Para o encerramento do festival, mais um grupo originário de Criciúma. A banda de Prog Power Metal, Norium foi formada em 2017 e desde então trabalha na composição de seu primeiro trabalho. O primeiro álbum dos músicos, ainda sem título, será disponibilizado pela MS Metal Records, com distribuição da Voice Music. Os músicos lançaram recentemente o web clipe da música “Sign Of The Times”, que conta com a participação de Z (The Undead Manz). A formação é: Davi Martins (Vocal), Lucas Souza na (Guitarra), Diego Francisco (Baixo) e Saimon Domingos (Bateria).


quarta-feira, 30 de maio de 2018

Carcanhá: Prodígio do Punk Rock Blumenauense

Originário de Blumenau, o grupo surgiu em 2015 a partir de conversas entre amigos e de gostos em comum. O projeto de Punk Rock que em sua essência traz a chama setentista e oitentista foi criado por Edenilson (hoje vocalista atual) que reuniu colegas para firmar uma formação.



Gradativamente como em qualquer outra banda, aos poucos os músicos foram tocando covers, mesclando às próprias e por fim chegando na parte autoral e assim solidificando-se. Durante sua trajetória, houveram algumas modificações entre seus integrantes até estabilizar a configuração atual.

No ano de 2017, a banda gravou seu primeiro Ep intitulado “(Não Tenha) Políticos de Estimação”, trabalho este contendo quatro canções, sendo elas “Discurso Abafado”, “Passa a Grana”, “É de Maracujá” e a homônima “(Não Tenha) Políticos de Estimação”. O material foi lançado nas plataformas virtuais esse ano e contou com a difusão do videoclipe “É de Maracujá”.



O grupo tem influências musicais vastas como Punk Rock, Hardcore, Crossover, Thrash Metal, Rock n Roll entre outras ramificações. E as bandas que são referências para os músicos são Replicantes, Plebe Rude, Garotos Podres, Inocentes, Olho Seco, Cólera e Gritando HC.

A designação “Carcanhá” se deu baseada em nome de bandas Punks, frequentemente associada com nomes de doença. E então com a junção da doença “Calcanhar de Maracujá” se deu a atual cognominação da banda. “Calcanhar” seria o nome ideal senão fosse pelo fato de um amigo do vocalista Edenilson não conseguir pronunciar a palavra. O que fez com que os músicos adotassem a escrita diferenciada “Carcanhá”.

As composições do grupo são frequentemente de desigualdade social, problemas climáticos e letras que abordam de forma imparcial a situação atual do país.

Os músicos marcaram presença em diversos eventos do estado. Em 2017 participaram do Porcalhada e Encontro de motos Urupema. Já esse ano, se apresentaram no Paredão Festival, Quero Uma Festa Punk, e no Green Place com o lançamento do EP (Não Tenha!) Político de Estimação.

A banda tem um recado:
“Não deixem o punk rock e a música autoral da sua região morrer! Vá a eventos prestigiar e dar força ao movimento”.

Agenda:
09/06 - Rock in Hell do Campo
14/08 - Porcalhada
10/11 - Um Dia Livre Rock Festival


Formação Atual:
Edenilson (Vocal)
William (Guitarra e vocal)
Fábio (Baixo e vocal)
Guilherme (Bateria)

Plataformas Virtuais:


terça-feira, 29 de maio de 2018

Cerveza de Litro: O Som Paulista Meio Caipira, Meio Roqueiro

Formada em 2007 por André Bonini (Guitarra e Voz), Luciano (Violão e Voz) e Betuel (Bateria), a Cerveza de Litro provém da "capital dos grandes lagos", o município de Santa Fé Do Sul – SP. O projeto traz em sua essência, traços típicos do interior como esterco, bebidas e country com pitadas de Punk.


As referências musicais do grupo são Tião Carreiro, Léo Canhoto e Robertinho, Johnny Cash e originalmente um grupo que sempre esteve na playlist dos músicos, Violent Femmes.

O nome original e peculiar se deu ao passo de uma música autoral de mesma designação. Inicialmente o propósito era homenagear o Paraguai, que possui resquícios fortes na cultura do Mato Grosso do Sul. A cognominação traz alusão a festa boa, alegria, diversão já que se personificou ainda mais quando o Brasil iniciou a comercialização de “litrão”, antes tradição em alguns países vizinhos.

Em 2015 o grupo divulgou seu primeiro videoclipe, “Alfabeto das Vacas”. O clipe se passa num campo e expõe de um jeito cômico a história hilária de um trabalhador que juntamente com sua parceira de trabalho, a respectiva Vaca H se revoltam contra o fazendeiro. O vídeo já obtém mais de 6.000 visualizações no YouTube.



Com esse tom ímpar e característico, a banda lançou em 2017 o seu primeiro material, “Valmir”, contendo dez canções, sendo elas “Emiliana Pé-de-Cana Girl”, “Carretero Rice”, “O Alfabeto Das Vacas”, a homônima “Cerveza de Litro”, “La Polka”, “Caminhão de Carça”, “Manifesto Caipira”, “Beto Carrero”, “Belina Song” e “Beleza Interior”.



No mesmo ano de divulgação do disco, os paulistas difundiram outro clipe, dessa vez da música “Belina Song”. Ela é uma história romântica que possui como protagonistas, uma belina, um apaixonado, um caipira de bicicleta, uma pinga e um enredo realmente emocionante. A mesma angaria 2.800 visualizações no YouTube.



Recentemente a Cerveza de Litro divulgou o novo single “Odete”. Ela foi produzida por Bino Ferreira em BKS Estúdio (Três Fronteiras - SP) e em sua letra escrita por André Bonini, exibe a história dum pobre coitado que depois de um típico romance estava sendo procurando pelos irmãos enfurecidos da Odete.



Como projetos futuros, os músicos trabalham na finalização do videoclipe da canção “Cerveza de Litro” e ainda estão no desenvolvimento de três singles, sendo estes “Bomba Ninja”, “Chá Na Berta” e “Saúde Pra Trabaiá”.

Irreverência é um dos pilares na composição do grupo que aposta em coisas idiotas do dia-a-dia, duplo sentido, cotidiano incomum e toda a atmosfera rodeada por diversões. Como cita André Bonini (Vocal) “Eu me sinto muito ridículo quando tento escrever uma letra séria, falando sobre coisas importantes sobre a realidade. ”

A banda já se apresentou em grandes eventos e festivais, tendo destaque para o Programa Gas Sound na Rede TV! em 2008, Festival Novos Caipiras no Sesc em Araçatuba no ano de 2016, Festival Infernaldópolis abrindo para o Satânico Dr Mao e Os Espiões Secretos, Festival Planeta Rock, ambos em 2017 e o Festival Quilombo Groove esse ano em Bauru- SP.

Formação Atual:
André Bonini (Vocal, Guitarra e Teclado)
Eduardo Lugato (Bateria)
Lúcio Pé (Baixo)
Rafael Cassimiro (Guitarra e Viola)

A banda tem um recado:
“Parem de levar tudo a sério o tempo todo. ”

Plataformas Virtuais:

Postagens mais antigas → Página inicial